1 de julho de 2008

Meus Filmes Preferidos: CRASH - No Limite (2004)

01 julho Escrito por Eliude Santos 7 comentários

Recentemente ganhei o DVD do filme Crash-No Limite. Esse filme se encaixa numa categoria especial para mim. Eu fui ver Crash no cinema sem grandes expectativas e o filme me surpreendeu... Fiquei impressionado com as histórias e os dilemas dos personagens e com a sensibilidade com que foram abordadas... Fiquei impressionado com o talento de Paul Haggis, roteirista e diretor, em encaixar temas tão nobres num roteiro tão bem amarrado: uma dona de casa e seu marido procurador de Justiça, uma família Persa dona de uma loja, dois detetives, um diretor de televisão e sua mulher, um chaveiro, dois ladrões de automóveis, dois policiais e um casal coreano, todos vivem em Los Angeles e durante um dia e meio entram em colisão uns com os outros das maneiras mais surpreendentes e reais.
E o modo sensível como são contadas essas colisões pessoais já fica evidente na primeira frase que se ouve no filme: "É o sentido do tato... Numa cidade de verdade você anda, esbarra nas pessoas, elas topam com você. Em Los Angeles, ninguém toca em você. Estamos sempre atrás de metal e vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque que damos esbarrões uns nos outros só para sentirmos alguma coisa", fala um personagem referindo-se a um acidente de carro que acaba de acontecer.
O tema central de Crash é o preconceito e a maneira como ele se manifesta das mais diferentes formas. E, pelo modo como as histórias são contadas, você começa a desenvolver empatia pelas personagens que supostamente menos mereciam tal sentimento se víssemos somente parte de sua história. Isso nos ajuda a perceber que difícilmente conseguimos enxergar todas as ramificações de uma situação ou de uma personalidade para que nos coloquemos como juízes diante de qualquer fato, mesmo que a pessoa na tribuna esteja sendo julgada por si mesma, afinal o argumento do filme é "Você acha que se conhece? Você não tem a menor idéia!"
::As Colisões::
Graham Waters é um detetive negro do Departamento de Polícia de Los Angeles, uma cidade repleta de pessoas das mais diferentes raças e etnias. Marcado por crenças, atitudes e ações racistas, ele e sua parceira e amante, a policial Ria, acabam de se envolver num acidente de carro, ocasião em que essas atitudes vêm à tona. Os dois acham-se interessados na recente descoberta de um corpo no acostamento da estrada, fato que os levou ao local.
Anthony e Peter, dois ladrões de carro, negros, assaltam e levam um luxuoso carro do promotor do Distrito, Rick, e de sua mimada esposa, Jean. Esta fica furiosa por não ter podido evitar a aproximação dos negros. Quando o marido contrata os serviços de Daniel Ruiz, um reparador de fechaduras de origem mexicana, ela entra em pânico por acreditar tratar-se de um membro de uma gangue, e insiste posteriormente que o marido mande trocar todas as fechaduras da casa. Na realidade, Daniel é um pacato pai-de-família que acabou de mudar-se de um bairro violento para garantir a segurança de sua esposa e filha, Lara, de cinco anos.
Clique aqui e salve esse papel de parede do filme Crash em seu PC
Ryan é um policial e cuida de seu pai doente. Indignado com o tratamento que o pai recebe da Organização de Manutenção da Saúde (OMS), por acreditar que ele está sendo preterido por questões raciais, cria problemas com a funcionária negra daquela Organização, Shaniqua. E, no patrulhamento do trânsito, joga toda a sua agressividade contra um bem-sucedido diretor negro de televisão, Cameron Thayer e sua mulher Christine. Paradoxalmente, quando ocorre o terrível acidente envolvendo vários carros, ele arrisca sua vida ao retirar Christine das ferragens, segundos antes da explosão do veículo em que ela se encontrava.
O jovem policial Hanson, parceiro de Ryan, não concorda com suas atitudes racistas e, por duas vezes, sai em defesa de Cameron. Achando essa parceria insustentável, procura seu chefe negro, tenente Dixon, na esperança de ser transferido para uma outra unidade de patrulhamento, mas este lhe diz que não pode fazer nada.
Farhad, um imigrante persa com fortes sentimentos racistas, é proprietário de uma pequena loja na cidade. Sua filha, Dorri, vive extremamente preocupada com o fato dele ter adquirido uma arma de fogo sob o pretexto de defender seu estabelecimento. Daniel, contratado para substituir uma fechadura defeituosa, chama a atenção de Farhad para a necessidade de mandar trocar a porta, por motivos de segurança. Quando a loja é arrombada e saqueada, ele culpa Daniel pelo ocorrido e sai, armado, disposto a matá-lo. Na hora em que puxa o gatilho, a pequena Lara corre para os braços do pai. Por sorte, Dorri havia comprado balas de festim para a arma de Farhad.
Essas diversas histórias, envolvendo as mais diferentes formas de racismo, se interconectam ao longo de 36 horas, e terminam com um ato de violência que deixa uma pessoa morta.
Com uma trilha sonora encantadora e multi-etnica, uma direção cuidadosa e um elenco que conta com nomes respeitados na indústria cinematográfica, Crash é um filme que nos faz parar e pensar. É uma surpreendente lição de vida.
::Ficha Técnica::
Crash, USA, 2004
»Diretor: Paul Haggis
»Roteiristas: Paul Haggis, Robert Moresco
»Gênero: Drama
»Duração: 113 minutos
»Trilha Sonora: Mark Isham
»Fotografia: James Muro
»Edição: Hughes Winborne
»Elenco: Karina Arroyave (Elizabeth), Dato Bakhtadze (Lucien), Sandra Bullock (Jean Cabot), Don Cheadle (Graham), Art Chudabala (Ken Ho), Tony Danza (Fred), Keith David (Tenente Dixon), Loretta Devine (Shaniqua), Matt Dillon (Oficial Ryan), Jennifer Esposito (Ria), Ime Etuk(Georgie), Eddie J. Fernandez (Oficial Gomez), William Fichtner (Flanagan), Brendan Fraser (Rick), Billly Gallo (Oficial Hill), Ken Garito (Bruce), Nona Gaye (Karen), Terrence Howard (Cameron), Ludacris (Anthony), Thandie Newton (Christine), Ryan Phillippe (Oficial Hanson), Alexis Rhee (Kim Lee), Ashlyn Sanchez (Lara), Michael Peña (Daniel), Larenz Tate (Peter), Sean Cory (Policial de moto)

7 comentários:

  1. esse filme é realmente boa e também me impressionou bastante.
    eu esperava bem menos, e ele me surpreendeu demais.
    otimo blog, adorei o texto ;*

    ResponderExcluir
  2. tenho vontade de ver o filme...
    já vi as criticas e elas são muito boas...outro q tambem segue essa ordem é Babel.
    Enfim...gostei do blog.

    ResponderExcluir
  3. *_____*

    É esse aÍ!!! THE BEST!!

    O tiPo de filme realista em que podemos tirar Inúmeras lições.
    Lembro-me de quando o proessor de geografia reuniu sua turma com outras para assistir ao filme, à principio teve briga, formando aquelas famigeradas panelinhas, que ao final do filme não mais existiam...

    NOTA MÁXIMA PRA ESSE FILME!

    Just perfect!

    ResponderExcluir
  4. Eu amei esse filme! Chorei muito ao longo dele. E preciso revê-lo.

    Reiterando o convite que lhe fiz via scrap/Orkut.

    Esperando que aceite!

    Beijo grande,

    ResponderExcluir
  5. o filme tem conteudo excelente porque retrata muita diversidade e diálogo entre culturas

    ResponderExcluir
  6. parabéns para o texto, ótimo resumo. Gostei do seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Kelly. Espero que goste também dos livros que estou publicando online por aqui. Basta acessar os títulos no menu e aproveitar a leitura.

      Excluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.