5 de maio de 2009

Astrologia, Psicologia e Revelação.

05 maio Escrito por Eliude Santos 10 comentários
Há uma grande variedade de fatores que influenciam nossa personalidade e desenvolvimento como indivíduos: ambiente, interação, irradiação, campos gravitacionais. Assim, para compreender perfeitamente o que leva alguém a tomar certas atitudes em determinadas situações, toda essa imensa gama de fatores deve ser levada em conta. Os signos podem ser um dos indicadores da personalidade do indivíduo.

Sou do signo zodiacal de Leão e preencho todas as características relativas a essa classificação: sou exibido, gosto de ser o centro das atenções, tenho um ar de realeza (que normalmente é confundido com orgulho ou nariz empinado), sou brincalhão e tenho facilidade para amar as pessoas (desenvolver empatia).

O horóscopo chinês baseia-se no ano do nascimento. Lá eu sou do ano do Cavalo, um signo de pessoas extrovertidas, bem-humoradas, práticas, confiáveis e inteligentes.

Já no horóscopo celta, sou do signo do Álamo, que se relaciona à meditação e à espiritualidade. As pessoas desse signo têm um alto senso de estética, possuem um forte apelo artístico e são fascinadas por filosofia. Por serem muito seletivas e sérias em seus relacionamentos, costumam sofrer com a solidão. São pessoas muito confiáveis.

Se o conhecimento exotérico indica alguns traços marcantes de minha personalidade, esse quadro ganha ainda mais cor se também consideramos as variantes da ciência: um estudo de Carl Jung determina a existência de 16 tipos de personalidade. Segundo esse estudo, sou um ENTP, isto é, tenho uma personalidade extrovertida e intuitiva, que avalia as coisas de modo lógico e procura perceber e entender os outros e as situações ao invés de julgá-las.

Segundo testes de QI, minha pontuação me qualifica como um Filósofo Visionário. Esse tipo de intelecto aponta pessoas com uma poderosa mistura de habilidades e fluência verbal que os qualifica a explicar os mais complexos conceitos de um modo que sejam facilmente compreendidos. Também possuem a habilidade de antecipar e prever padrões e contra-argumentos.

O conhecimento científico e o saber empírico são apenas duas faces da mesma moeda: a moeda da interpretação da realidade. E se soubermos filtrá-las, podemos ser mais beneficiados por elas, que as desprezando. 

É muito possível que a astrologia nos ajude a compreender um pouco melhor a nossa personalidade assim como o faz a psicologia, mas somente o bom senso pode medir até onde vai a influência dessas diferentes vertentes do conhecimento empírico ou científico em nossas vidas.

Eu não perco meu tempo checando horóscopos diários para ver o que me aguarda naquele dia, mas não desprezo um estudo milenar que vem-se provando muito plausível na compreensão das personalidades humanas.

Os signos (isto é, o conjunto de características que a pessoa desenvolveu durante sua existência pré-mortal que qualificaram-na para nascer naquela conjunção astral específica) são indicações que podem ajudar-nos a compreender melhor o nosso homem natural (nossa realidade ou identidade carnal) e assim criar mecanismos que nos ajudem a controlar e direcionar esses impulsos de modo a desenvolver nosso homem espiritual (nossas potencialidades).

No entanto, certos conhecimentos na mão de pessoas incautas podem servir como desculpa para comportamentos contra os quais elas não querem lutar. E, nisto, a pessoa também está exercendo seu arbítrio! Então, nenhum conhecimento nos priva do arbítrio. Somos todos livres, a despeito das tendências e dificuldades que enfrentamos. 

Nosso Criador conhece-nos a todos e estabeleceu os tempos (signos) de nascer e de morrer de todos os indivíduos, mas fazemos com esse tempo o que bem entendemos até que nos apresentemos diante Dele novamente.

Tenho muitos amigos que abraçam diferentes filosofias e crenças, ou até mesmo a descrença, e são felizes a seu modo e se completam nas coisas que acreditam ou deixaram de acreditar. 

No entanto, o que acreditamos não interfere na natureza da verdade única das coisas.

Antes de sermos mandados a esta Terra, tínhamos conhecimento sobre todas as coisas. No entanto, esse conhecimento não era perfeito, pois não havia sido submetido ao fogo da experiência. E para que nossa experiência fosse legítima como evidência do que de fato somos ou desejamos ser, esse conhecimento foi temporariamente apagado por um véu de esquecimento pelo qual passamos antes de nascer. 

Dons naturais são lembranças embotadas desse conhecimento.

O véu do esquecimento existe para assegurar que tudo o que decidiremos nesta vida, todo o curso da nossa existência mortal siga o caminho de nossa guerra interior entre as tendências de nossa própria natureza (homem natural) e a iluminação dada ao nosso espírito que refreia essas tendências (homem espiritual). 

É como fazer um teste de QI: se você descobrisse o resultado de cada pergunta antes de fazer o teste, e lembrasse de todas as respostas enquanto fizesse o teste, você não estaria de fato sendo testado, consequentemente o resultado seria errado. Por isso passamos pelo tal véu.

Mas, para que não ficássemos como cegos vagando pela Terra sem qualquer verdade em que nos pudéssemos apoiar, o Criador de nossas almas enviou-nos professores inspirados para lembrar-nos de certas verdades que eram necessárias ao nosso desenvolvimento aqui na Terra e que nos preparariam para voltar num estágio mais evoluído à Sua presença. 

No entanto, nem todos estariam dispostos a ouvir a voz desses homens inspirados. Muitos sequer os conheceriam ou atentariam para suas revelações. 

Gosto da palavra "revelar", que significa "trazer a luz de volta". Revelações não apontam conhecimentos novos, apenas colocam mais luz sob o véu de modo que se torne mais transparente.

Não escrevo essas coisas em defesa da astrologia, nem da psicanálise, nem de qualquer coisa em particular como verdades absolutas e infalíveis.

Qualquer fonte que nos ensine algo sobre nós, sobre o universo, sobre como as coisas funcionam, sobre as coisas como eram, como são e como serão, qualquer fonte de conhecimento (física das forças cósmicas, química dos elementos, biologia dos seres, psicologia das almas ou filosofia das mentes) é válida, desde que saibamos reter de tais fontes aquela lembrança familiar da verdade única das coisas que está em nós.

Fazer um teste de personalidade, traçar um mapa astral, entender as forças cósmicas da física quântica e da relação entre as coisas, tudo isso nos ajuda a chegar mais perto de um conhecimento mais completo a respeito da verdade.

Os mapas astrais baseiam-se num estudo intuitivo (e não científico) do modo como os astros influenciam no desenvolvimento de nossa personalidade. 

Os signos, quando vistos de modo geral (sem avaliação de detalhes holisticamente conectados a eles), falam apenas de um aspecto generalizado, portanto, muitas pessoas não se identificam com o que leem, pois estão lendo o que se aplica à maioria, e não a elas especificamente.

Por isso, não defendo a leitura de horóscopos e a dependência de consulta aos astros, psicanalistas ou gurus na hora de tomar decisões ou mesmo para uma compreensão apurada da própria personalidade. 

Os astros, psicanalistas e gurus não definem nada, eles apenas apontam direções. 

De igual modo, não condeno a consulta ocasional e desprovida de preconceitos a quaisquer desses oráculos. 

E arrisco que, quando fazemos isso de coração aberto, podemos receber alguma luz a respeito de nós mesmos e das nossas potencialidades e tendências.

Sei que alguns psicanalistas podem se sentir ofendidos por terem sido colocados no mesmo patamar de oráculos empíricos, mas como disse, o conhecimento empírico e científico são somente faces diferentes da mesma moeda: a interpretação da realidade. 

E acho que um dos grandes erros de qualquer uma das faces de uma moeda é negar os efeitos ou eficácia da outra.

Então, sem desprezar o conhecimento, de onde quer que ele venha, agregamos mais valor às nossas moedas e nos tornamos pessoas melhores, e não é este o objetivo maior de nossas vidas?

10 comentários:

  1. você é sempre tão comedido e didádico ao expressar suas opiniões.


    super vou pegar uma aula sua esse semestre, só pra saber como você é dentro de sala.

    ResponderExcluir
  2. heheheheh... you'll be welcome, sweetie!!!

    ResponderExcluir
  3. Como psicanalista posso dizer que este é um dos mais completos e objetivos textos que já li onde se colocam algumas técnicas possíveis de estudo da personalidade num mesmo patamar, sem desprezar ou evidenciar uma ou outra.

    Acho também que dessa vez li seu blog inteiro, e assim consegui me atualizar... mais fácil de acompanhar daqui pra frente...

    Continuo dizendo que a facilidade (e genialidade) que você tem de colocar as palavras juntas lhe são bons méritos pra poder escrever sobre o que quiser.

    Cada vez mais sou sua fã!

    Beijos mil, Chris

    ResponderExcluir
  4. Obrigadão Chris... Deve ter tido muita paciência pra conseguir ler tudo... Uma vez você me sugeriu publicar uma coletânea das coisas que escrevia lá na comunidade... Não sei se percebeu, mas estou fazendo exatamente isso nos posts dessa sessão de Filosofia e Espiritualidade... Quando tiver novidades por aqui te aviso!!!

    ResponderExcluir
  5. Desprezar os astros não é, de fato, algo muito sábio. A maior parte de nossa história (secular e religiosa) se baseia neles. Eu sou Áries com ascendência em Touro, sou do ano do Cavalo, Filosofo Visionário e ISFP (o artista).

    ResponderExcluir
  6. Vc meu amigo querido é uma das pessoas mais inteligentes que conheço. Pessoa essa que sabe de modo objetivo colocar em pauta assuntos de seu interesse, de modo que envolva aqueles que frequentam seu blog e fazendo com que façam reflexão séria e comprometida sobre os assuntos tradados...
    O blog está o máááááximo!!!
    Congrats Honey!
    Miss ya!

    ResponderExcluir
  7. Fala, Eliude!
    Depois preciso dar uma olhada nas outras matérias. É um assunto interessante. Preciso verificar sobre os meus signos e ver se há semelhanças comigo, hehehe
    Abraço,
    Bruno Lemos

    ResponderExcluir
  8. Gostei deste assunto, inteligente o que escreveu, colocando as coisas todas juntas, sempre procurei entender certas coisas, e sempre separava tudo por que não pensava que houve forma de pensar tudo de uma só vez. Vi uns deste relógios na cidade de Bern, eu achei lindíssimo e inteligente, não acredito que pessoas capazes de construir relógios como estes e dizer todas estas coisas sobre signos estejam erradas, mesmo porque foram estudos feitos muito antes do cristianismo. Não sei por que desprezar estes estudos. Eu particularmente acredito nos signos e suas personalidades.

    ResponderExcluir
  9. O segredo, Ana, é ter um pensamento holístico. Vendo tudo como parte de um único corpo (o cosmos, como alguns chamam; ou a malha do Evangelho, como eu prefiro chamar).

    É saudável permitir-se a conhecer tais coisas, o perigo está em tornar-se escravo dos oráculos, deixando que eles decidam sua vida por você. Não é porque você descobre, pelos astros que tem uma personalidade explosiva que você precisa ser uma pessoa explosiva. Essas indicações apenas ajudam-nos a nos conhecer melhor e a desenvolver-nos de modo a aprimorar nossas habilidades e podar as falhas que existirem.

    ResponderExcluir
  10. "Os signos (isto é, o conjunto de características que a pessoa desenvolveu durante sua existência pré-mortal que qualificaram-na para nascer naquela data específica)" -> Apostasia

    ResponderExcluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.