10 de maio de 2009

Entrevista na MT - Tema: Homossexualidade

10 maio Escrito por Eliude Santos , , 1 comentário

Em 18 de julho de 2008, publiquei neste blog uma entrevista feita comigo na comunidade "Mormon Thought" (Orkut). Foram feitas perguntas acerca de minha vida pessoal, profissional e a respeito da minha visão de mundo. Como a entrevista ficou muito extensa, decidi separá-la por tópicos. Este trata de perguntas relacionadas à sexualidade.

Aline Pergunta: "Qual a sua opinião sobre o homossexualismo?"

Resposta: Correção do termo: prefiro chamar de "homossexualidade". Ismos dão idéia de partidos; dades dão idéia de características. E pra mim, a homossexualidade é uma característica e não um partido. Na minha opinião, ninguém nasce homossexual; assim como ninguém nasce hétero, bi ou pansexual. Até porque, até iniciar sua "vida sexual", ninguém é homo, hétero, bi, pan ou qualquer outra classificação de identidade sexual, já que ainda não se faz sexo em tão tenra idade! Por definição, homossexual é a pessoa que FAZ sexo com outra do mesmo gênero; do mesmo modo, heterossexual é a que FAZ sexo com alguém do gênero oposto. Algumas pessoas, no entanto, nascem com certas tendências hormonais físicas ou psicológicas que determinam sua "orientação" sexual. No entanto, uma "orientação" não é uma "determinação". Qualquer pessoa pode, se desejar, querer driblar essas características e viver feliz de um modo distinto ao que sua orientação indica; ou pode também querer aceitar tais orientações naturais e viver também de um modo harmônico dentro do padrão de felicidade que construiu pra si mesma. Na Igreja Mórmon, alguém que tem orientação homossexual pode, se quiser, viver um padrão heterossexual tranqüilamente, casar-se, ter filhos e herdar o reino celestial se cumprir todos os mandamentos; ou pode abster-se do sexo, optando por viver a lei de castidade, e do mesmo modo ser aceita naquele reino. Lembro que o reino celestial é um reino para pessoas que se preparam para ser pais e mães. Se optar por SER de fato HOMOSSEXUAL, isto é, FAZER sexo com alguém de seu mesmo gênero, ele quebra a lei de castidade, portanto, perde o direito de entrar no reino celestial; mas pode, se viver os outros princípios do evangelho, receber altos graus de glória nos outros Céus (terrestrial ou telestial). *Só quero lembrar que o mesmo acontece para heterossexuais que FAZEM sexo antes do casamento, ou que TRAEM a esposa depois do mesmo. Também quero deixar claro, no tocante ao que falei sobre o julgamento da quebra da lei de castidade, que sempre há a opção do arrependimento. Pois nada é definitivo nesta vida, nem tampouco depois dela.

Juliana Pergunta: "Tua empatia faz com que tu aceites a homossexualidade como algo normal?"

Resposta: Primeiro, permita-me fazer a distinção que sempre faço: existe a orientação homossexual e a homossexualidade. A orientação homossexual é caracterizada pela atração pelo gênero oposto. Muitos jovens na Igreja sofrem por sentirem essa atração e por não saberem como lidar com ela. O que cria essa vergonha é o conceito do "proibido". No entanto, estão na mesma situação de um namorado que sente atração por sua namorada mas precisa refrear seus impulsos até o casamento (no entanto, o jovem hétero sabe que seu ato agora pecaminoso será aceito e autorizado por Deus após seu casamento). Já a homossexualidade é caracterizada pela prática sexual. E isso é considerado como pecado passível da perda da exaltação pelas escrituras. Assim como o adultério de um casal heterossexual o é. Ambos, no entanto, são passíveis de perdão, mediante arrependimento. O que torna o arrependimento do homossexual mais difícil é que não se livrará do estigma de sua orientação sexual. Ele sempre sentirá esse desejo. E, se for muito forte, jamais poderá ter um relacionamento heterossexual saudável, o que por si só, já não lhe permite entrar no grau mais elevado do reino celestial. A pergunta era, considero normal? Sim. Considero normal, tanto a orientação quanto a prática. Se não fosse normal, não existiriam reinos de glória para todos os que fogem aos padrões do reino celestial. Da mesma forma que considero normais quaisquer outros desvios do padrão celestial, desde que não firam a liberdade e a propriedade de outros. Se a pergunta fosse: agrada a Deus? A resposta seria: Não. Porque, sendo Pai, Ele quer Seus filhos juntos Dele, vivendo o tipo de vida que Ele leva. No entanto, Ele sabe que nem todos seriam felizes dentro dos Seus padrões de felicidade e por isso Ele criou alternativas de salvação. Afinal, Ele respeita a liberdade (arbítrio) que Ele mesmo lhes concedeu e se alegra quando percebe que eles estão felizes ao seu próprio modo.

Juliana Pergunta: "Como lidar com amigos homossexuais?"

Resposta: Apresentar a "doutrina cristã" de modo a não ferir nossos amigos que sentem atração por pessoas do mesmo gênero é sempre uma tarefa difícil. Até porque, ao contrário de muitos outros desvios do padrão celestial, esta é uma escolha que talvez nenhum deles se sinta completamente responsável por ter feito, e muitos nem acham que fizeram. Um exercício de empatia: Como é que você (sendo hétero) se sentiria se fosse ordenando por Deus a controlar sua orientação sexual e casar-se com alguém do mesmo gênero? Para muitos de nossos amigos, a proposta de abandonar a homossexualidade soa exatamente igual a essa suposição. É como pedir pra eles deixarem de ser quem são. Então, devemos primeiro procurar entender se são felizes como são. Quais foram suas experiências com o gênero oposto, se é que houve alguma. E como encaram seus sentimentos a respeito de si mesmos e dos outros. E respeitar sua posição, diante dos níveis de verdade e felicidade sobre os quais construíram seu paradigma de vida. Se respeitamos e construímos uma ponte de amizade e respeito, eles nos darão mais ouvidos, e poderemos apresentar-lhes nosso paradigma, sem que seja de pronto repudiado. E qual é o nosso paradigma? Deus estabeleceu um perfil que deve ser desenvolvido pelas pessoas que querem voltar a viver com ele (No entanto, voltar a viver com Ele, implica em levar a vida que Ele leva). Podemos nos esforçar para viver dentro desse perfil e receber no futuro o benefício de habitarmos ao Seu lado e recebermos da plenitude de Sua felicidade. No entanto, caviar pode ser a plenitude da felicidade pra alguns, quando um prato de feijão com farinha é a plenitude da felicidade para outros. E Deus respeita nossas visões de felicidade. Mas está disposto a nos mostrar as maravilhas do prato que está nos oferecendo, se simplesmente tivermos a mente suficientemente aberta para provar. E, se depois de provarmos, apesar de toda a propaganda, preferirmos o outro, Ele nos concederá de acordo com nossos desejos, ainda que isso signifique que Ele não tomará parte conosco em nossa refeição.

Larissa Pergunta: "Qual é a sua orientação sexual? Quando seu perfil constava como "namorando", eu via você se referir à sua namorada como uma "pessoa", mas não como uma mulher."

Resposta: É interessante que essa pergunta tenha sido feita somente agora, visto que minha primeira participação nessa comunidade foi no tópico sobre "Casamento Homossexual" para tentar esclarecer alguns pontos que estavam sendo mal-compreendidos. Mas, obrigado por perguntar. Minha orientação sexual é bissexual (visto que tenho interesse tanto por um gênero quanto pelo outro, embora em níveis diferentes). Minha condição sexual enquanto namorava era a de homossexual (visto que a "pessoa" em questão era um rapaz -- que aparece uma centena de vezes no meu álbum do orkut, que é um álbum aberto ao público, portanto, não é segredo para ninguém). Conheci o Lucas num dia e no dia seguinte já estávamos namorando. Ele é uma pessoa incrível, inteligente, respeitoso, sincero, engraçado e viciado em cinema como eu! ehehe Namoramos durante três anos, e aprendi muito com ele durante esse tempo. No primeiro dia que ele foi à minha casa, apresentei-o à minha mãe como meu namorado. Eles se tornaram bons amigos.Eu tenho também um relacionamento maravilhoso com os pais dele, por quem tenho muito respeito e admiração. E eles também me adoram. Todos os nossos amigos mais próximos também sempre souberam que namorávamos. As únicas pessoas que nunca souberam foram as que nunca perguntaram ou não se esforçaram para perceber. Não costumo sair por aí falando dessas coisas porque gosto que as pessoas tenham respeito por minha vida privada, que para mim é sagrada, portanto me reservo somente a responder quando perguntam. Espero que tenham percebido que sou sempre coerente. Minha discrição deve-se também ao fato de que sou educador e preso muito pelo respeito. E reconheço que vivemos numa sociedade que dista muito da maturidade quando o assunto parte para o campo da sexualidade. Minha condição de gênero é homem. E entendo que algumas pessoas achem que como tal eu deveria honrar essa condição direcionando minha orientação somente para o gênero oposto. Mas, não é tão simples. Embora eu saiba que é possível. E já falei sobre isso antes. Minha orientação espiritual é mórmon. Tenho um testemunho da verdade e do Plano de Salvação e entendo todas as conseqüências e oportunidades geradas pela minha condição. Minha condição espiritual é de tranqüilidade, paz e harmonia comigo mesmo e com as coisas que acredito, assim como tenho um bom relacionamento com nosso Pai. Nunca menti para mim mesmo e sempre entendi a situação de um ponto de vista um pouco mais elevado. E isso alguns talvez não entenderão, mas eu os entendo. Por causa de todas as experiências que vivi, ganhei uma compreensão muito maior da misericórdia divina, do plano de salvação e da justiça divina.

Gerardo Pergunta: "O que vc acha de membros da Igreja que comparam a homossexualidade com pedofilia, incesto e estupro?"

Resposta: Entendo, mas não concordo. Entendo pois em seu nível de entendimento é nessa categoria que entram os pecados sexuais. Mas, não concordo. Pois, num nível mais elevado de entendimento, vemos que há crimes, pecados, transgressões e ações justificadas; e, que uma mesma ação pode ser considerada em qualquer uma daquelas categorias a depender das circunstâncias em que foi aplicada. Ao matar Labão, Néfi cometeu um crime, mas sua ação foi justificada, portanto não incorreu em pecado. Não caberá a todos o discernimento de que artifícios Deus usou para justificar a necessidade de tal ação e de como essa justificação encaixa-se na doutrina da Expiação de Cristo. No entanto, entendemos que uma ação justificada não é pecado.Ao comer do fruto proibido, Adão não pecou, apenas transgrediu uma lei menor em obediência a uma lei maior. Transgressão e pecado são coisas diferentes. Em nossa sociedade, estupro, incesto e pedofilia são crimes; homossexualidade não. Dentro da lei do evangelho, a tendência homossexual não é considerada pecado. O pecado é a prática, pois resulta na quebra da Lei de Castidade, mas isso não incorre num ato criminoso. Afinal, pecado e crime são duas coisas diferentes. Um crime é um atentado contra a integridade física ou moral do indivíduo. Um pecado é um ato que distancia você do padrão celestial esperado daqueles que almejam alcançar a divindade. Colocar crimes e pecados numa mesma categoria é ter uma visão limitada da situação. Mas, a depender do nível de entendimento, é uma atitude compreensível, por isso, não me causa irritação, apenas desperta a minha preocupação em esclarecer. [Esclarecimento para quem ainda não entende minha visão de pecado. Pecado é apenas um parâmetro de auto-conhecimento. Quando afirmo que Deus considera a homossexualidade um pecado, não estou inferiorizando esse comportamento, apenas estou dizendo que esse comportamento caracteriza a pessoa num padrão diferente daquele que seria necessário para que ela sentisse felicidade plena no Reino Celestial, onde Deus habita. Deus reconhece que nem todos os filhos tem as mesmas visões de felicidade e preparou para eles lugares diferentes onde possam viver dentro de seu padrão particular e ser felizes ao seu modo.]

Érika Pergunta: "Como descreve tua comunicação com o Senhor depois que decidiste assumir tua sexualidade?"

Resposta: Não houve mudança. Ao contrário de muita gente, meu Pai é empático e sabe exatamente o que sinto, por isso, Ele me compreende e se entristece quando me vê triste, me apoia e me dá ânimo quando eu preciso.Quando Adão e Eva comeram do fruto proibido, eles se envergonharam e não quiseram apresentar-se diante de Deus, escondendo-se de Sua presença. Essa vergonha foi colocada em seus corações por Lúcifer, que inclusive lhes mostrou que era um absurdo se apresentarem desnudos na frente de Deus e lhes fez aventais de parreira para que cobrissem a nudez. O propósito de Satanás é lançar em nosso rosto os nossos medos, frustrações e pecados e fazer-nos tão miseráveis como ele, para que assim, não tenhamos coragem ou nos tornemos orgulhosos demais para nos aproximar de nosso Pai e receber Dele o consolo e a ajuda necessária.

Um comentário:

  1. Carakas ... sua resposta é exatamente o que eu penso sobre o assunto. Na verdade vc foi além das minhas opiniões ahahahah
    parabéns !!

    ResponderExcluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.