17 de maio de 2009

O Pequeno Príncipe

17 maio Escrito por Eliude Santos 69 comentários
O Pequeno Príncipe
Le Petit Prince (O Pequeno Príncipe), de Antoine de Saint-Exupéry é provavelmente o livro que mais vezes li em minha vida. Não simplesmente porque gosto da história, nem do modo envolvente com que é contada, nem somente por causa das pérolas filosóficas que encontramos a cada página virada; minha paixão pelo livro, e talvez a de todas as pessoas que já se deram ao prazer de se encantar com a narrativa do pequeno habitante do planeta B612 é por ser sua busca um retrato fiel de nossa própria percepção do mundo e dos homens, do que consideramos verdadeiramente importante mas que, com a desculpa de que somos obrigados pela vida, acabamos deixando de lado em nome daquilo que mais desprezamos. É a percepção do simples e óbvio, contada de modo claro e que a cada vez que lemos parece tão novo como a primeira vez em que nos aventuramos nessa viagem de descobertas que O Pequeno Príncipe nos propõe fazer.
Muitas pessoas torcem o rosto para esse livro, classificando-o como literatura-infantil. No entanto, é igualmente comum ouvirmos adultos recém-encantados afirmarem que este não é um livro para crianças. Mas, se ainda consideram-se adultos depois de lerem o livro, talvez não tenham compreendido a verdadeira essência da mensagem. As pessoas não são a idade que tem. As pessoas são a soma de suas experiências e percepções que se acumulam com o passar dos dias.
Quando o pequeno príncipe deixou seu planeta, ele era inocente (uma característica própria da infância, que atualmente está morrendo nas crianças cada vez mais cedo) e apaixonado (uma característica adolescente, que tem cruzado as fronteiras da infância sem piedade à medida que morre sua inocência), trabalhava duro e era ferido pelos espinhos de sua rosa (uma característica da vida adulta que põe em cheque tudo o que cremos e que nos impulsiona rumo ao comodismo ou à inovação), mas, principalmente, não tinha resposta para as perguntas mais profundas de sua alma (uma característica atemporal que afeta a todos e que torna nossa vida uma eterna jornada de busca e descobertas).
Assim somos nós todos, um misto de crianças, jovens e adultos tentando descobrir em nossas experiências um sentido para nossa própria existência. E os conceitos que adquirimos nessa jornada é o que nos torna únicos.
Então, O Pequeno Príncipe não é um livro para crianças, jovens ou adultos, mas para essas pessoas que se descobrem únicas no mundo em seu processo de crescimento e amadurecimento.


Clique aqui para ler o livro.

Segue uma análise de cada personagem do livro e das lições que tenho tirado deles:
    O Pequeno Príncipe “'As pessoas grandes são mesmo extraordinárias', repetia simplesmente no percurso da viagem.”
    Perplexo com as contradições das pessoas grandes, o pequeno príncipe segue sua viagem de compreensão dos mundos ao seu redor como um símbolo dessa nossa eterna busca por significado e inevitável confronto com as idéias e comportamentos alheios que à princípio nos surpreendem, ou mesmo irritam, mas que por fim contribuem para o desenvolvimento de nossa própria percepção das coisas. Extraordinário e misterioso, ele morava num planeta muito pequeno, como é o nosso mundo particular e o nosso campo de visão até percebermos que há um grande universo de diferentes mundos ao nosso redor. Ali ele se viu, um dia, arrebatado por um sentimento novo que lhe fez questionar a mediocridade de sua rotina.

    A Rosa “É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas”....
    A rosa começou a crescer, parecia vir do nada. Ficou horas se arrumando e ajeitando suas pétalas. Era linda! Mas também orgulhosa, caprichosa e contraditória. Apesar de todos os cuidados do pequeno príncipe, ela nunca estava satisfeita. Extremamente feminina e sedutora a rosa é um misto de caprichos e sabedoria. Um dos personagens mais enigmáticos do livro, ela é a novidade que atiça a curiosidade. A novidade que é deixada de lado em prol de vôos maiores, mas que sempre será considerada a lembrança mais marcante do passado. Em sua sabedoria, ela entendia o papel do sofrimento no nosso processo de busca da felicidade.

    O Piloto “As pessoas grandes aconselharam-me a deixar de lado os desenhos de jibóias abertas ou fechadas.”
    O piloto teve sua sensibilidade artística e a sua capacidade de ver além das aparências cerceadas por aqueles que haviam se entregado à monotonia de seus pequenos mundos. Mas anos depois, longe de todos, desenha a sua própria história com a ajuda daquele que deixou seu mundinho de lado para entrar nos mundos dos outros e aprender com eles. Tocado pela ingenuidade e simplicidade do pequeno príncipe, o piloto redescobre seus talentos e desperta para a beleza das coisas simples.

    O Rei "É preciso exigir de cada um o que cada um pode dar"
    O rei é o primeiro dos “donos do mundo” que o pequeno príncipe encontra nas galáxias. Ele pensa que tudo e todos são seus súditos e tem necessidade de controlá-los. Mas, com sabedoria, nos ensina que cada um só pode dar aquilo que tem. É interessante notar que mesmo os personagens que aparentemente representam falhas de caráter tem algo a nos ensinar nesse livro assim como na vida.

    O Vaidoso "Mas o vaidoso não ouviu. Os vaidosos só ouvem elogios."
    O vaidoso precisa da admiração de todos para comprovar o seu valor. Ele nos faz lembrar que precisamos reconhecer nossos próprios talentos e capacidades, e não depender de elogios dos outros para nos auto-afirmar.

    O Bêbado “– Por que é que bebes?
    – Para esquecer.
    – Esquecer o quê?
    – Esquecer que eu tenho vergonha.
    – Vergonha de quê?
    – Vergonha de beber!”

    O bêbado tenta escapar da realidade por meio do álcool, mas não consegue escapar da vergonha de ser como é. O seu desabafo é um alerta contra o vício nas mais diferentes formas com que se manifesta. Todos temos nossos vícios. Um vício é um hábito freqüente que normalmente desenvolvemos para esquecer ou fugir daquilo que não nos agrada em nossa realidade. Alguns vícios são menos saudáveis que outros. E há aqueles que são doentios. E essa doença se caracteriza na dependência do hábito não pelos resultados alcançados, mas pela própria distorção de seu propósito.

    O Homem de Negócios "– E de que te serve possuir as estrelas?
    – Serve-me para ser rico.
    – E para que te serve ser rico?
    – Para comprar outras estrelas, se alguém achar.
    'Esse aí', disse o principezinho para si mesmo, 'raciocina um pouco como o bêbado.'"

    O homem de negócios está tão ocupado contando o que acumulou que não pode desfrutar da vida. O pequeno príncipe nos faz ver que isso também é um vício. É preciso valorizar quem você é, e não o que você tem. O senso de prioridade, que varia de um indivíduo pra outro, é o que pode livrar alguém do vício ou afundá-lo ainda mais nele.

    O Acendedor de Lampiões "Aí é que está o drama! O planeta de ano em ano gira mais depressa, e o regulamento não muda!"
    Um bom homem cumpre o seu dever. Mas como ele mesmo diz, "É possível ser fiel e preguiçoso..." O universo está em constante evolução. O homem, as crenças e as relações humanas também. Mas o acendedor de lampiões não tem o bom senso de questionar as ordens e trabalha sem parar, mesmo sabendo que não vai chegar a lugar algum. Às vezes, nos prendemos de tal modo às nossas ocupações que achamos que o mundo não funcionará sem nossa contribuição. Nos sentimos imprescindíveis como uma engrenagem no funcionamento desse mundo, e vamos acumulando mais responsabilidades, de modo que o tempo vai-se esvaindo. Quando vemos, estamos num ritmo tão acelerado que já não podemos mais parar. Precisamos aprender a respeitar nosso próprio ritmo e não abraçar mais responsabilidades do que aquelas que nossas forças permitem.

    O Geógrafo "É muito raro um oceano secar, é raro uma montanha se mover...."
    O geógrafo sabe toda a teoria, mas não aplica seus conhecimentos. Nunca sai da sua mesa para explorar as descobertas. Como um bom burocrata, declara que isso é trabalho de outra pessoa. É ele quem recomenda ao pequeno príncipe que visite o planeta Terra. E deixa o principezinho abalado quando lhe conta que sua flor é efêmera. É justamente por nunca ter aplicado seus conhecimentos que o geógrafo não percebe o efeito que aquele conceito gera no coração do princepezinho. O excesso de conhecimento associado à falta de empatia e vivência pode ser um comportamento igualmente danoso.

    O Astrônomo "Mas ninguém lhe dera crédito por causa das roupas que usava. As pessoas grandes são assim."
    Os adultos, especialmente os sofisticados materialistas, julgam pelas aparências. Por isso, o astrônomo turco é desprezado pela comunidade científica até aparecer em elegantes roupas ocidentais. Sua mensagem (seu conteúdo) era importante, sua descoberta (sua contribuição) era relevante, mas isso só teve valor quando sua roupa (sua aparência) foi suficiente para atrair a atenção e despertar a confiança daqueles que o ouviam.

    A Jibóia "‘Por que é que um chapéu faria medo?’ (...) Desenhei então o interior da jibóia, para que as pessoas grandes pudessem compreender. Elas têm sempre necessidade de explicações."
    O primeiro desenho do piloto foi confundido com um chapéu e somente depois que ele dissecou sua primeira obra numa segunda de caráter mais explicativo é que as pessoas grandes perceberam do que se tratava, mas ainda assim não entenderam o valor emocional do desenho nem valorizaram o talento da criança, pois seu senso de prioridade lhes cegava pras coisas que não estavam dentro de seu campo limitado de valores.

    O Carneiro "Desenha um carneiro para mim, por favor."
    “Era assim mesmo que eu queria!”.
    Nada pode corresponder ao poder da nossa imaginação. Ela supera o conhecimento, pois não tem limites, e nos impulsiona para novas descobertas. O desenho da caixa com o carneiro dentro é uma ode à criatividade e a reação do pequeno príncipe é o oposto da reação das pessoas grandes em relação ao desenho da jibóia.

    A Raposa “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
    A sábia raposa ensina o pequeno príncipe a compartilhar. E explica-lhe que, apesar de existirem milhares de flores parecidas com a dele, aquela rosa que ele deixou em seu planeta e por quem tem tanto afeto é única em seu mundo, e foi o tempo que ele dedicou a ela que a fez tão importante. Com a raposa, aprendemos sobre o valor de cativar e ser cativado e percebemos que isso requer responsabilidade. Seja um amor, um amigo, um talento que possuímos e ou aquilo que conquistamos durante a vida, por qualquer coisa que cativemos nos tornamos responsáveis. A Serpente E essa responsabilidade requer uma melhor administração de nossas prioridades e valores a fim de que saibamos administrar o nosso tempo em prol daquilo que cativamos. E essa é uma das mais importantes mensagens do livro.

    "Mas sou mais poderosa do que o dedo de um rei.”
    Embora fale sempre por enigmas, a serpente é o personagem mais franco de toda a história. Ela respeita o que é puro e verdadeiro.

Valor é um dos temas mais discutidos no livro. Na frase "o essencial é invisível aos olhos" o autor nos dá uma resposta de onde espera que encontremos o verdadeiro valor das coisas e em que proporção deve ser dado esse valor. Forma e conteúdo acabam sendo relevantes somente quando associadas ao valor correto e na medida certa. E é essa mensagem poderosa e o modo simples e claro com que é passada e o fato de se renovar a cada leitura que faz de O Pequeno Príncipe um de meus livros preferidos.


Clique aqui para ler o livro.

69 comentários:

  1. Sempre tive vontade de ler "O Pequeno Príncipe". Agora lendo seu post, minha vontade foi aguçada. Ah, Parabéns pelo blog.
    Vc realmente escreve muito bem. É difícil um texto tão grande assim, prender o leitor em uma tela de computador. No entanto, o seu é impecável.

    Vou ler e depois volto aqui pra comentar minhas impressões sobre a multiplicidade do pequeno príncipe.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelos elogios, João! E vou ficar esperando os comentários sobre o livro depois da leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem como vs me ajudar no editorial do personagem astrônomo?

      Excluir
  3. Rpz...peguei esse livro pra ler axo ki há 2 anos ou 1, num sei bem... e naum consegui xegar nem a metade... Uma literatura mtuuuu fantasiosa p/ mim.. Talvez s eu tivesse lido ele qnd era mais guria i talx, qm sabe... Mas num m sinto um alien por naum ter lido! ashsauhsauhuassa
    Bjaum ;)

    ResponderExcluir
  4. Na minha época (anos 70-80) as escolas nos pediam para ler O Pequeno Príncipe. Ainda tínhamos aulas de Educação e Moral, e também de Cívica e Ética, coisas meio ultrapassadas hoje em dia.

    Os valores apontados no livro eram ensinados em casa, entre amigos, nas escolas e até nos programas de tv.

    Nestes tempos de Harry Potter (não que eu não goste, mas são tantos efeitos especiais, e o mais importante fica encoberto), é importante que tentemos reacender o interesse por obras como esta.

    Exupéry escrevia como poucos e a leitura do Pequeno Príncipe nos traz imagens aos olhos e sentimentos profundos ao contrário de grande parte da literatura enlatada e pasteurizada que parece estar surgindo nos últimos anos.

    Além da grande qualidade literária o Pequeno Príncipe ainda nos traz as mais importantes questões da humanidade: responsabilidade, vida e morte, amor, amizade, aceitação, pró-ação só para falar de algumas.

    Pena que os educadores e escolas não pareçam estar aproveitando o recente interesse das crianças pela leitura para estimular a busca a estas grandes obras do passado e tantas outras do presente...

    E, como sempre, adorei o post. :P

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Me chamou a atenção esse artigo por justamente essa noite eu ter "virado" para ler o pequeno principe. Esse livro atiça a criança que tem dentro de mim, a inocencia, a visão além do obvio. Uma visão menos mecanica.
    Na minha opiniao, o livro foi mesmo projetado para parecer infantil, testando assim se a pessoa iria se interessar ou nao, e aquelas que se interessaram, está apto a entende-lo =)

    Ótimo artigo, parabens.

    ResponderExcluir
  7. Adoro este livro, ja o li varias vezes e pretendo le-lo muito mais vezes ainda... eu o recomendo a todas as pessoas boas e sensiveis que conheco.Seu Blog me ajudou a ampliar o entendimento do livro. Me despeco ainda mais apaixonada por ele ! Obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Gostei do seu Post. Como apaixonado pelo Pequeno Principe gostaria de republicalo no meu Blog.http://pequenopricipe.blogspot.com/ Posso?
    Dê uma olhadinha lá no blog e deixe um comentário.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Adorei esta auto analise sobre a obra mais linda e perfeito. adoro este livro, e me sinto bem ao reler e reler.. Parabens ao dono do Blog!! Gosto muito da frase da raposa: " tu te torna eternamente responsavel pelo aquilo que cativas." é linda esta frase, tanbem gosto muito da inocencia do pequeno pricipe, ao descobrir todos os planetas.

    ResponderExcluir
  10. comecei a ler olivro, mas senti necessidadde de pesquisa para entende-lo melhor. parabéns pelo blog. amei"" era o que eu procurava.

    ResponderExcluir
  11. Interessante abordagem do livro, que também é um dos meus preferidos... Engraçada coincidência, sabia que teu nome não era de todo estranho. Dando uma olhada no blog lembre: Da comunidade no orkut The fountain. Parabéns pelo blog, gostei de muitos dos artigos.

    ResponderExcluir
  12. Eliude, obrigada pelo grande trabalho. Uma leitura tão delicada foi interpretada de uma maneira muito especial e entendível aos olhos do leitor. Estou trabalhando um projeto sobre o pequeno príncipe e me valeu muito ler esta análise.
    Parabéns pelo magnífico trabalho.
    Darci/professra

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de te parabenizar, faço a leitura do Pequeno Príncipe com meus alunos do 8º ano e ao pesquisas as simbologias da obra me deparei com seu texto. Uma interpretação 100% fantástica, fiz um apresentação baseada nela. Sua linguagem es tá acessível e impecável. Parabéns!

    ResponderExcluir
  14. Obrigado a todos pelos comentários e aos professores que estão usando minhas palavras em sala de aula. Mas o grande elogio deve ir para Exuperry, o autor dessa obra incrível que toca o coração daqueles que tem os olhos abertos para enxergar o essencial.

    ResponderExcluir
  15. Livro sensacional. Parabéns pela amplitude de sua análise.

    ResponderExcluir
  16. Olá! Eliude, seu blog tem me auxiliado bastante, pois como um das tarefas do curso de francês , minha professora passou a leitura deste livro na lingua de seu autor. Confesso que de inicio não consegui perceber a essencia que esta literatura nos oferece, mas sinceramente, no decorrer da mesma percebo que este livro é uma rica fonte de reflexão sobre as coisa simples e importantes da vida.
    Não posso negar que quanto surge alguma dúvida na interpretação edo francês, dou um espiadia na obra traduzia.
    E para concluir , digo que sua análize sobre as personagens são bem interessantes. Parabéns pela bela interpretação e ótima forma de abordar o assunto. Desejo que Deus lhe abençoe grandiosamente e sucesso!

    ResponderExcluir
  17. Esse foi um dos livros que mais me marcou. Li ele ainda bem cedo e é realmente encantador, algo que vai além de uma simples narrativa. È um história que te faz olhar pra dentro e depois pra fora, assim podendo ter uma visão mais verdadeiro do que está a sua volta. Concerteza um dos meus livros favoritos, daqueles os quais nunca se esquece. Amei o post

    ResponderExcluir
  18. muito bom !!!
    adorei, me ajudou muito !!!

    ResponderExcluir
  19. muito bom, adorei,vou ler o livro dinovo!
    Laisa Mirella s2

    ResponderExcluir
  20. Laisa, Fernanda e Lylyan... obrigado pelos comentários... tbm sou apaixonado por este livro e fico feliz que meu post continua ajudando as pessoas a ganharem uma visão mais ampla dos temas ali tratados... espero que algum dia alguém faça os mesmos comentários sobre o meu livro (O Livro de Malco)...

    ResponderExcluir
  21. Muito boa análise, este ano me formarei no ensino médio e para isso preciso apresentar uma monografia para receber meu diploma; o tema é livre. Você deve imaginar porque escolhi O Pequeno Príncipe como meu tema...

    ResponderExcluir
  22. Obrigado, Yasmin, boa sorte no trabalho!

    ResponderExcluir
  23. OI Pessoal,


    Tenho uma papelaria no centro da cidade de São Paulo, e lá vendemos cadernos de vários modelos da coleção O PEQUENO PRÍNCIPE.

    A partir do dia 10 de setembro estaremos recebendo as agendas 2011. A qualidade deste material é de primeiro mundo, com detalhes em dourado, desenhos super coloridos, alguns cadernos são produzidos com papel reciclado. As imagens das capas já estão disponíveis no site.

    Vendemos através do nosso site também. www.papelfantasia.com.br

    Os preços são ótimos e entregamos em todo o Brasil!!

    Me desculpem por entrar no blog de vcs assim sem ser convidado.

    Um abraço para todos

    Roberto Georges

    ResponderExcluir
  24. ¨Aqueles que passam por nós, não vão sós, deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.¨Exupéry estava corretíssimo. Depois dessas explicações levo um pouco de você comigo e deixo aqui meu agradecimento pelo seu empenho em esclarecer um livro tão lindo e importante. Essa simbologia dos valores humanos vale a pena ser difundida.Beth Neto

    ResponderExcluir
  25. Li o Pequeno Principe pela primeira vez aos 36 anos e simplesmente o amei. Sempre achei que era um livro para crianças, mas me enganei redondamente! É um livro dedicado a todos os adultos para que valorizem a criança pura e sincera que ainda existe em nós, mesmo que bem escondidinha no fundo do nosso ser.
    Realmente é uma história encantadora e que deve ser apreciada por todos.

    ResponderExcluir
  26. Eu amo esse livro... me deu vontade de ler de novo!

    ResponderExcluir
  27. Jana e Flor, obrigado pelos comentários... Estou impressionado, eu escrevi este post há mais de 2 anos e todos os dias ele recebe umas 40 visitas... É o post mais visitado e mais comentadodo blog... Obrigado, pessoal!!!

    ResponderExcluir
  28. Adoro o livro mais do que o filme.
    Muito obrigado pelas explanações e as formas com que você expõe elas.

    ResponderExcluir
  29. achei maravilhoso a forma como vc escreveu que o pequeno principe deixa seu mundinho para se interessar pelo mundo dos outros...a conduta do pequeno habitante do B612 serve de exemplo para todos nós..

    ResponderExcluir
  30. Somente quando nos deixamos encantar pelo universo dos que nos cercam é que crescemos de verdade!!!

    ResponderExcluir
  31. "O Pequeno Príncipe"... Uma reverência aos pequenos
    e importantes encantos da vida, pelas lentes de uma
    criança!"

    ResponderExcluir
  32. Parabéns!...Fantástico seu trabalho!!! Este livro é uma das mais "completas" obra de arte,tamanho seu teor filosófico. Só quem entende tais valores, consegue transferí-los com tanta nobreza a um mundo cada vez mais desejoso do mesmo.Sua análise muito me auxiliou na elaboração de um teatro.Sucesso, em tudo que empreenderes. Abraço!

    ResponderExcluir
  33. Fico feliz em contribuir. Espero que a peça tenha sido um sucesso.

    ResponderExcluir
  34. Quem lê o pequeno príncipe simplesmente entende o quanto imaturo somos às vezes com relação as pessoas. Como avaliamos as coisas e pessoas erroneamente, e que certos julgamentos nos levam a solidão...

    ResponderExcluir
  35. Olá, havia lido há muitos anos o Pequeno Príncipe e a Leitura é encantadora; a professora da minha fillha(11), pediu a leitura; ela lia para mim, e assim ia tentando decifrar cada personagem, foi encatador. Entrei no blog, e tive maior compreensão, vou passar para ela.....obrigada

    ResponderExcluir
  36. Louca ousada e SVG, fico feliz que vcês gostaram do livro e que compartilharam sua opiniã aqui no blog. Aproveitem pra dar uma olhada também nos outros tópicos do blog.

    ResponderExcluir
  37. Eu simplesmente amo O Pequeno Príncipe, é o livro que mais li, e não me canso de ler, é uma história que pode parecer boba para quem ainda não leu, mas quem leu sabe que a história está longe de ser boba, está cheia de simbolismos e críticas. A história nos faz pensar, é um livro que todos deveriam ler. "Para enxergar claro basta mudar a direção do olhar". Acho que essa frase de Exupéry traduz a busca do Pequeno Príncipe por novos mundos (novas visões). Ou a frase "Quando a gente anda sempre para frente não pode mesmo ir longe...". Acho mágico o jeito que essa frase exprime tudo que eu penso sobre a nossa sociedade que segue sempre na mesma direção sem se questionar.
    Enfim, é um livro profundo e que faz você refletir mais e mais a cada vez que você lê, é uma obra atemporal.
    Agora comentando sobre seu post, parabéns, você escreve realmente bem e com certeza captou as mensagens que o livro nos passa.
    O ideal seria que nós contextualizassemos tudo que aprendemos ao ler este livro.

    ResponderExcluir
  38. Adorei o comentário, Thais... e adorei as frases que você destacou no livro... Todo mundo acha que o pequeno principe se resume à máxima "o essencial é invisível aos olhos"... mas de fato, a cada frase, descobrimos uma crítica e uma rota... de fato é um livro inspirado... Espero que algum dia, leitores falem o mesmo dos meus livros...

    ResponderExcluir
  39. Sim, realmente é um livro incrível. Eu andei lendo seu blog e eu gostei muito de todos os posts que li. E li também o primeiro capítulo do seu livro "O Livro de Malco", seu livro é rico em detalhes, envolvente, faz o leitor se perder no mundo que você criou, é o tipo de livro que você começa e não consegue mais parar de ler e tem sempre algum trecho que faz parar e refletir, eu adorei, em algumas partes eu parei, reli e refleti sobre o que estava escrito, eu estou impressionada, li só o primeiro capítulo mas queria ter lido o resto. Espero que logo você publique, pois eu fiquei realmente ansiosa para saber como essa história termina e além disso, conseguir sempre que ler o livro me desligar da minha realidade e adentrar nesse mundo criado por você, o que não é difícil, já que o livro consegue prender a atenção do leitor de tal forma que depois de alguns parágrafos, lendo concentradamente o leitor já está completamente hipnotizado pelas palavras que foram escritas. Com certeza você se dedicou muito a este livro. O que me atraiu para o seu blog foi a análise de "O Pequeno Príncipe" livro que me conquistou por seu alto teor filosófico, o que mais me encantou no seu livro foi encontrar esse teor filosófico nele também. Fiquei sinceramente feliz por ter achado seu blog e ter a chance de ler este capítulo do seu livro. Parabéns, você escreve muito bem, seu livro tem tudo pra se tornar um sucesso.

    Eu pretendia só comentar que havia lido e acabei divagando num post sobre O Pequeno Príncipe, desculpe, hahaha. Enfim, boa sorte com seu livro, eu realmente torço para que seu trabalho seja reconhecido.

    ResponderExcluir
  40. Que lindo Thaís... fico feliz que tenha gostado... É muito bom ouvir críticas de leitores que não me conhecem, pois sei que estão sendo sinceros... E preciso disso pra saber que direção tomar... Tenha certeza que será uma das peimeiras a saber quando o livro for lançado... beijos!!!

    ResponderExcluir
  41. Parabéns pelo seu trabalho!
    Está ótimo e me ajudou muito em meu trabalho.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  42. Está uma total m****!
    DETESTEI!Pior livro da minha vida!

    ResponderExcluir
  43. hoje me surpreendi com uma parada ao acaso neste ponto perdido do infinito cyber espaço. diário de bordo: hoje é 22 de abril, e procuro dados e imagens que possa lembrar-me de comemorar o dia do Planeta Terra. curiosamente encontros aqui referências sobre antigas crenças e valores em desuso. sensacional ! parado sobre estas velhas transcrições, percebo que me ajudam a traduzir minha grande jornada. sigo adiante. obrigado pela breve estadia.

    ResponderExcluir
  44. Será sempre bem vindo, KBeto!

    Ao anônimo que destestou o Pequeno Príncipe, é seu direito amar ou odiar o que quer que seja, inclusive esse livro. Somos todos diferentes e gostamos ou não gostamos de tanta coisa na vida! É nosso direito ter personalidade e expressar essa personalidade do modo que melhor nos aprouver.

    Ao anônimo que agradeceu pelo meu trabalho, agradeço eu pela apreciação.

    ResponderExcluir
  45. Parabéns pela análise do Livro O pequeno Príncipe. Sou extremamente encantada e apaixonada por este livro, já fiz a leitura do mesmo várias vezes e cada vez fico mais encantada e aprendo um pouco mais. É uma leitura essencial para o ser humano, seja criança, jovem ou adulto. Todos deveriam dedicar um pouco do seu tempo para apreciação desta obra e se debruçar na lição de vida que ela nos traz.

    ResponderExcluir
  46. e bommm mais e grande naum gostewi por causaew diissoww maiw ew lwegawlw

    ResponderExcluir
  47. pppppppppworrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrwwwwwwa

    ResponderExcluir
  48. a minha professora vai passar a uma prova reportagem sobre esse livro o pequeno principe com isso
    Quem? O que? Quando? Como? Por que?

    ResponderExcluir
  49. Adorei o livro, o li ontem.
    Excelente analise a sua, meus parabens.
    Soh gostaria de que avaliasse a forma como o principe retorna ao seu mundo, fato que, alias, foi mt triste para mim qndo li.

    ResponderExcluir
  50. Quando deixou seu mundo pra trás, ele sabia que estava condenando sua rosa à morte, pois os cardos cresceriam e a sufocariam, a lava queimaria as raízes dos baobás... Se algum dia voltasse, não encontraria nem a sombra do que tinha deixado pra trás... Ele sabia que a única maneira de voltar para junto de quem amava era aceitando a própria morte. A gente pode achar o desfecho muito cruel, mas lembre-se que o pequeno príncipe é uma analogia da vida humana: infância, adolescência, vida adulta e velhice. Quando o ciclo se completa, o que nos resta é a morte, que une tudo e "reinicia" o ciclo... A visão da morte como um reencontro é linda! A chance de poder ver de novo sua rosa, de poder escolher o período mais bonito da sua vida e reviver esse período com a consciência plena de uma vida inteira, isso sim é o que podemos chamar de céu!

    ResponderExcluir
  51. É um livro que passou por muitas gerações e continua conquistando muitas pessoas e de todas as idades, é simplesmente adorável. Você é muito sábia em suas palavras, parabéns.

    ResponderExcluir
  52. Realmente, um post enorme mas que prende a atenção. Muito bem escrito e há muuuuiittoo tempo, parabéns por conseguir receber comentários de um post de 2009 já estando na segunda metade de 2012!

    Estou atualmente montando o quarto de meu filho, que deve nascer em dezembro, com o tema do pequeno príncipe. Espero ele possa conhecer a história (seu pai já a lê para ele!) e ser alguém com esta nobreza de sentimentos que o livro demonstra.

    Parabéns pela reflexão do post!

    ResponderExcluir
  53. Obrigado aos anônimos. Espero que leiam os meus outros posts. Não atualizo muito frequentemente o blog, mas estou sempre acompanhando as visitas e comentários.

    ResponderExcluir
  54. Achei muito legal sua interpretação, eu tinha entendido mais ou menos assim, mas alguns personagens ficaram obscuros pra mim, como o acendedor de lampiões.
    Esse livro é muito bom, nunca me canso de ler!

    ResponderExcluir
  55. Obrigado!!! Também não me canso de ler!!!

    ResponderExcluir
  56. livro realmente maravilhoso!! amei seu blog!

    ResponderExcluir
  57. A melhor interpretação é individual, isso é claro. Mas ver o que outros pensam ajuda. Para mim tudo tem um lado pessoal da vida do próprio piloto. Quando ele era criança esperava que um adulto o compreendesse e criou o pequeno príncipe para ser para ele o adulto que ele não teve quando criança. Esse é um angulo diferente do que você postou, mas acho que vale também. Obrigado por escrever sobre esse livro.

    ResponderExcluir
  58. É uma visão mais realista. Toda história tem símbolos internos e símbolos externos. Os símbolos internos estão na própria história, independe de nossa crença ou do nosso olhar sobre a história. Se existe um vampiro, ele será real no mundo da história, se existe uma criança perdida no deserto que veio de um outro planeta, a menos que o livro nas últimas palavras da obra diga que essa criança é imaginação do narrador, pois estava delirando no deserto depois de passar dias sem beber água, o leitor olhará para essa criança e para todo o mundo de personagens que ela trouxe consigo como reais. E interpretará todo esse mundo dentro do ponto de vista das próprias personagens, tomando o texto como guia.

    Isso não exclui a possibilidade de uma análise externa, e essa é a análise que usa não o olho da personagem mas o olho do leitor sobre o enredo. Assume-se que um homem perdido no deserto, enfrentando um calor infernal, ferido e sem ter o que comer ou beber, desmaiará e terá delírios. E, um homem que carregou traumas desde a infância, pode em tal circunstância, criar todo um universo expiatório e condescendente.

    Uma visão não exclui a outra; ambas podem inclusive coexistir. Não somente em relação a esse livro, mas em relação à vida. Compreender o que está além do alcance de nossa visão física ou intelectual, imagética ou imaginativa, criadora ou criativa, e tentar alinhar essa visão a dos outros é um exercício de empatia complexo mas recompensador.

    Obrigado pelo comentário Enio.

    ResponderExcluir
  59. me ajuda fazer o editorial do personagem astrônomo?
    por favor

    ResponderExcluir
  60. Olha dia 27 quinta-feira tenho um questionário para responder e queria urgente por favor as respostas se souberem e poder me passar por favor me passem eu agradeço muito.

    1) Quais as caracteristicas do protagonista?
    2)Qual o tipo de narrador e suas caracteristicas de acordo com esta história?
    3)Elenque as caracteristicas dos personagem (a rosa,a serpente,a raposa etc..)
    4)Como é tratada a questão da inteligência sob a ótica da criança e do Adulto?
    5)Fale sobre os relacionamentos e o ensinas a aprender,segundo a história.
    6)O livro fala sobre a questão do siglo.O que é dito sobre este assunto?
    7 Qual a importâcia dos desenhos do protagonista na história?
    8) Qual significado de ''domar'' no contexto d història?
    9) Qual importância dos assuntos sérios na história?Explique e Exemplifique.
    10)Fale sobre o significado dos simbolos (estrela,trens,deserto,água,etc.).
    11)Após a leitura do livro,qual a mensagem principal ou quais mensagens principais ele nos passa?
    12)O que você achou do desfecho da história?Explique.
    Por favor me respondas essas questões obg agradeço pela a atenção ...

    ResponderExcluir
  61. Em uma reflexão fenomenológica a respeito da leitura do livro: interpretamos e atribuímos significados de tal forma como percebemos nós mesmos, as pessoas e o mundo a nossa volta. Contextualizamos da mesma forma.. e o q me chamou atenção, no entanto, foi sua interpretação do mesmo. Parabéns, ótimo "artigo" .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muito de nós nos outros e muito dos outros em nós. Ser empático é a capacidade de enxergar essas inter-relações e apropriar-se disso ao interpretar a voz do outro como se fosse sua, mas ainda manter a essência da intenção do outro nessa interpretação.

      Excluir
  62. Bom dia Elideu. Gostaria de saber se essa frase: "Geografo de Exupéry sabe toda a teoria, mas não aplica seus conhecimentos e nunca sai da sua mesa para explorar as descobertas. Como um burocrata, declara que isso é trabalho de outra pessoa." É sua ou você pegou de algum artigo?
    Pretendo usá-la em um debate mas tenho que ter a fonte. Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caroline, desculpe a demora na resposta. A frase é minha sim.

      Excluir
  63. quais são os personagens principais e quais são os secundários desse livro ??

    ResponderExcluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.