10 de dezembro de 2012

O Fim do Mundo

10 dezembro Escrito por Eliude Santos 6 comentários
Quando criança, meu maior medo era um dia acordar com bombas nucleares estourando pelo mundo e tudo aquilo que então conhecia fosse reduzido a pó em decorrência da ganância humana ou da ira divina. 

Assisti muitos filmes e li livros sobre o assunto, e depois de um tempo, "O Fim do Mundo" como eu imaginava começou a parecer algo distante e fictício.

Mas, de repente, coisas fictícias têm-se mostrado tão próximas da realidade que já nem acho tão difícil acreditar que uma catástrofe global possa de fato vir a acontecer. 

Quando digo que a ficção se tem aproximado da realidade, refiro-me aos atos de terrorismo e ao clima de insegurança gerado por guerras ao redor do mundo ou, pior, dentro de nossos próprios bairros ou lares; aos desastres naturais, causados em geral por erros de conduta humana; e até mesmo ao avanço assombroso da tecnologia.

Não importa na verdade se tal catástrofe ocorrerá nos próximos dias, ou se vai demorar mais 900 anos para acontecer. Pois no fim das contas, o que importa é o que fazemos com nossa vida mortal, antes de nosso encontro com o infinito. 

E esse encontro não se dará apenas se tal catástrofe acontecer. Para muitos, o "Fim de seu Mundo como conhecem" está sendo neste exato momento: ou porque perderam o emprego, ou porque alguém que amavam se foi, ou porque sua vida mortal chegou ao fim.

O fim é geralmente precedido pelo medo e começa sempre com uma perda que causa desolação. 

A desolação, sintoma inicial da crise, é um período de tomada de decisões, de fortalecimento, que prenuncia o renascimento, a restauração, a reconstrução ou a substituição do que foi perdido. 

Infelizmente, nem todos entendem a beleza da crise e se afogam na desolação, não se permitindo experimentar as outras fases do processo.

De acordo com as crenças judaico-cristãs, nenhum feito ocorrido na terra desde os primórdios da humanidade afetará o homem e tudo o que nesta Terra habita de maneira tão transcendental quanto o dia em que seu "messias" regressar. 

Segundo tais crenças, a Terra viverá um período de crise que se estenderá por muitos anos, culminando com uma guerra de proporções catastróficas.

Equivocadamente, muita gente chama esse período de destruição de "apocalipse", pois em alguns trechos do livro bíblico que carrega esse nome, parte desses acontecimentos é descrita. 

O que pouca gente sabe é que livros como Daniel, Jeremias, Isaías ou Ezequiel, no Velho Testamento da mesma Bíblia ou na Torá judaica, já narravam muito antes os mesmos acontecimentos. 

Então, chamar essas guerras, terrorismo, doenças de contágio global e desastres naturais de acontecimentos apocalípticos é, no mínimo, uma visão  simplória. 

A palavra "apocalipse" significa "revelação", ou "profecia". O livro é de autoria de João, irmão de Cristo. E foi escrito enquanto o tal João era mantido em cativeiro, mais ou menos 30 anos depois da morte de seu irmão na cruz. E descreve visões que o profeta teve que falavam da situação em que a Igreja Cristã Primitiva se encontrava na época. 

Através de figuras fantasiosas, João narra todo o processo de evolução da humanidade, desde o início dos tempos até o fim dos dias, culminando com a volta do Messias, que desceria para reinar entre aqueles que estivessem dispostos a seguir de boa vontade os Seus mandamentos.

A segunda vinda deste ser que no Meridiano dos Tempos ministrou entre os homens com tanta mansidão e humildade se dará de forma imponente e assombrosa assim como descrevem as profecias relativas à vinda do "messias" judaico. 

Não se sabe o dia em que isso acontecerá, no entanto, as escrituras falam de Sinais dos Tempos que alertariam a humanidade para que se preparasse adequadamente para este encontro. 

Entre estes sinais estão:

  • Uma Apostasia Universal: pessoas mal-intencionadas mudariam as doutrinas e dogmas instituídos para prepararem a humanidade para esse encontro divino (Isaías 24:5), falsos líderes religiosos surgiriam para se aproveitar da ignorância do povo e assim obter lucro dos fiéis (2 Pedro 2:1), e falsos messias fariam com que muitos perdessem a confiança de que tal encontro de fato pudesse acontecer (Mateus 24:5), de modo que pouca gente acreditaria na existência de uma verdade universal, cada um seguindo sua própria interpretação da verdade, geralmente equivocada; 
  • Uma Era de Restauração: para que a humanidade voltasse a confiar numa verdade universal, seria providenciada uma restauração de todas as coisas (Atos 3:21); profetas antigos voltariam à Terra para iniciar essa era de restauração, entre eles Elias (Mateus 17:11); e toda a verdade que havia sido destroçada pela apostasia, seria reunida nesta época de restauração (Efésios 1:10). Até mesmo a restauração de unidades sócio-políticas, como o Reino de Israel (Atos 1:6) foram prometidas;
  • A Aparição de Escrituras Adicionais: enquanto muitos levantariam a Bíblia em praça pública dizendo já ter toda a verdade num único livro (ainda que seja obvia a falta de coerência na interpretação que cada uma dessas pessoas consegue dar a esse mesmo livro), outras pessoas perceberiam a importância de buscar essa verdade não somente em uma fonte (Mateus 18:16): os espíritas consultam os mortos, os mórmons recebem revelações de seus profetas modernos e possuem novos livros de escrituras, os ateus se apegam às descobertas da ciência, a verdade brota de várias fontes, só precisamos de amor (conhecimento divino) para reconhecê-la; 
  • Pragas, Calamidades e Desastres Naturais: mas a vida não seria fácil nesses últimos dias, pois com a explosão demográfica e a falta de orientação da humanidade, doenças destruidoras se espalhariam entre o povo (Apocalipse 16:9), guerras explodiriam por toda parte (Mateus 24:6), desastres naturais fariam as pessoas se revoltarem contra Deus (Apocalipse 16:21);
  • Mudanças na Atmosfera (que se refletiriam no modo como enxergamos os astros nos céus): tão poluída ficaria a Terra que seria difícil enxergar os astros celestes como os vemos agora (Atos 2:20); 
  • Mudanças na Estrutura Física da Terra: os homens se multiplicariam de tal modo, que a construção civil seria obrigada a interferir na estrutura geográfica da Terra, desviando rios e aplainando regiões de relevo de modo que a locomoção e o transporte fossem cada vez mais acessíveis (Isaías 40:4), mas a Terra responderia de maneira violenta a essas alterações (Apocalipse 16:18); 
  • O Armagedom, a Guerra de Deus: Por fim, uma grande guerra de proporções mundiais culminaria com a vinda do "Messias" em naves espaciais cuja luz refletiria sobre as montanhas, como num pôr-do-sol (Zacarias 6 e Apocalipse 6); e isto seria transmitido por TV ou internet para todo o mundo (Apocalipse 1:7). 

Há muitos outros sinais e temas relacionados a este assunto que podem nos ajudar a ter uma ideia do cenário que precederá a vinda desses seres evoluídos de algum planeta num universo distante a fim de ajudar-nos a arrumar a bagunça que a humanidade já causou a esta esfera chamada Terra.

Entender os sinais é importante à medida que compreendemos a urgência de nos prepararmos para esse encontro — não porque tal evento esteja de fato para acontecer, mas porque nossa vida é curta e o tempo que temos para nos preparar para esse encontro é o dia de nossa mortalidade.

Usando cálculos de uma lógica muito mais abrangente que a nossa, esses seres extraterrestres (a quem alguns chamam de seres divinos) vêm instruindo homens comuns aqui na Terra para exercerem algum tipo de influência sobre o comportamento de seus semelhantes a fim prepararem a humanidade de alguma forma para este encontro.

Por saberem exatamente que tipo de atitude tomaríamos nas mais variadas situações a que fôssemos expostos, Eles calcularam a data perfeita para cada intervenção "divina" no curso da história humana, desde que plantaram os homens nesse planeta. 

E é assim que são feitas as profecias: por nos conhecer, eles preveem o que seremos capazes ou não de fazer e revelam essas potencialidades aos profetas (professores inspirados, escolhidos por eles para o exercício desse ofício). 

Mas eles raramente estipulam uma data temporal para suas profecias. O que geralmente falam são acontecimentos que antecederão cada fato previsto, para que percebamos o desenrolar do cumprimento de tais profecias. 

Assim, há uma possibilidade de que o homem tome consciência de más consequências relacionadas às suas ações e mude de atitude antes que grandes aflições lhe sobrevenham, ou recaiam sobre a humanidade, mas a potencialidade de que aconteça exatamente o que foi previsto e predito é muito maior que a possibilidade de reversão da profecia.

Assim, os maias, Nostradamus, os profetas da Bíblia, e tantos outros que foram de algum modo alertados sobre esses acontecimentos futuros apenas quiseram alertar os outros, dando uma estimativa de quando tal visita se daria.

Seus cálculos foram humanos, suas descrições partiram de um ponto de vista humano, suas palavras tinham uma natural deficiência humana de expressão e a interpretação que faço neste artigo é igualmente passível do mesmo erro. 

E se tudo isso irá de fato acontecer ou se é apenas uma ficção que coincidentemente foi compartilhada por diferentes culturas através dos tempos, somente o próprio tempo poderá dizer.

6 comentários:

  1. Seria ótimo poder presenciar um espetáculo de um mundo se acabando, pois morrer vamos todos mesmo. Mas acho que não somos tão sortudos assim. Como você disse; o importante é o que fazemos com nossas vidas agora enquanto estamos vivos. Podemos fazer nossa história. Ador tudo o que você escreve. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Cara, quanta apostasia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido anônimo, suas opiniões serão sempre bem vindas no blog. Mas quando disser que alguém está mentindo, precisa pelo menos ter argumentos para ser levado em consideração.

      Excluir
  3. Muito bom, texto que consegue estreitar ligações entre biblia e tempos atuais...!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta era a intenção, Felipe. E como eu disse: "E se isso irá de fato acontecer ou se é apenas uma ficção que coincidentemente foi compartilhada por diferentes culturas através dos tempos, somente o próprio tempo poderá dizer." Portanto, só nos resta esperar pra ver! hehehehe

      Excluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.