24 de abril de 2015

"Ó Capitão, Meu Capitão!"

24 abril Escrito por Eliude Santos , 17 comentários
Mr Keating
Sempre fui apaixonado por filmes e, nos anos noventa, um de meus filmes preferidos era Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society, 1989 -- em que um professor de literatura, John Keating, inspira seus alunos a desenvolverem uma perspectiva própria a respeito do mundo, lutarem contra o conformismo e aproveitarem suas vidas de maneira extraordinária).

No filme, Mr. Keating é chamado de "Ó Capitão, Meu Capitão!" por aqueles que reconhecem a grandeza de sua influência, fazendo referência a um poema metafórico de Walt Whitman sobre o mesmo tipo de admiração.

Desde bem cedo, foi meu desejo ser não somente uma boa lembrança na vida de meus amigos, mas uma inspiração motivadora e positiva para eles. E foi no ensino que essa perspectiva começou a ganhar vida.

Na igreja mórmon há manuais para tudo. Existe um manual para professores chamado "Ensino, Não Há Maior Chamado" que tem instruções preciosíssimas para todos aqueles que em algum momento de suas vidas são colocados na posição de mestre: saber ouvir, conhecer cada detalhe da personalidade dos alunos, escolher as palavras com cuidado, ensinar pelo exemplo e experiência, deixar-se guiar mais pela inspiração do que pela instrução, ser uma fonte de conhecimento e motivação, e perceber nos outros o mesmo potencial.

Além das instruções preciosas do manual, eu tinha o exemplo de professoras incríveis, como Diana, Soraia e Rejane, que usavam as palavras com paixão e transmitiam seu conhecimento de modo poético e encantador. Queria ser como elas. Mas percebi que cada mestre tem seu estilo e acabei encontrando o meu.

Com o desânimo na faculdade e a dificuldade de conseguir emprego em Campina Grande, voltei para Nova Floresta, onde foram-me feitas duas propostas interessantes: ensinar História numa escola de ensino fundamental, e Línguas numa escola de ensino médio. O que prontamente aceitei.

No princípio, os alunos não gostaram muito de mim. Consideravam-me um professor prepotente e despreparado (e talvez estivessem certos!). Mas, aos poucos, fui aprendendo com meus erros e ganhando seus corações.

Um dia, após rever Sociedade dos Poetas Mortos, percebi que havia começado errado e decidi corrigir-me. Conversei com a diretora da escola e mudei meu método de ensino e avaliação.

Minha primeira atitude foi eliminar a chamada de presença e as provas para nota. Então, dividi os alunos em grupos de trabalho que, a cada semestre, precisavam criar um projeto original, útil e executável para ser apresentado e avaliado por eles mesmos e por toda a classe. Meu trabalho era mostrar-lhes de maneira prática o uso da língua durante todo o processo.

Houve muitos projetos criativos que ampliaram nossa consciência e mostraram-nos como o uso da língua nos permitia enxergar, interpretar, interagir e modificar a realidade que nos cercava.

Uma das turmas criou um programa de conscientização de crianças e adolescentes a respeito de drogas e DSTs e, com o apoio da secretaria de saúde, apresentaram-no nas escolas municipais da cidade.

Outra equipe conversou com nutricionistas e elaborou a receita de um sopão nutritivo que distribuiram a comunidades carentes.

Um terceiro grupo criou um hino para a escola. Juntos, elaboraram a poesia, musicaram-na, ensaiaram-na nas aulas e apresentaram-na com um coral e orquestra para toda a escola no dia dos jogos internos. Seu hino foi oficializado pela secretaria regional de educação.

Tais experiências ensinaram-nos valores que nenhum livro seria capaz de tão claramente ensinar. Além disso, o prazer do reconhecimento público fez crescer a auto-estima e motivou a muitos desses alunos para que dessem continuidade aos projetos que surgiram ali.

Eu trabalhava quarenta horas semanais em uma escola e tinha duas turmas em uma outra para ganhar um salário miserável que mal pagava meus gastos básicos de alimentação e transporte. No entanto, isso não me impediu de fazer a diferença na vida daqueles alunos. E o impacto que essa experiência exerceu sobre minhas escolhas e o desenvolvimento de minha personalidade foi ainda maior.


http://eli-ude.blogspot.com.br/p/ego.html


LEIA O PRÓXIMO CAPÍTULO

17 comentários:

  1. Muito bom professor. Uma nova forma de avaliar. Tenho discutido muito na faculdade e na escola sobre PROVA para medir o que o aluno não sabe.
    Aqui é um bom ambiente!

    ResponderExcluir
  2. Prova não prova, só reprova! E a única coisa que prova é que algumas pessoas tem melhor memória que outras ou que a desonestidade (cola) pode torná-las bem sucedidas! Acho que não é um bom ponto pra se provar.

    ResponderExcluir
  3. Pois é!
    Oh captain my captain!
    Tá não era a emancipação da mulher moderna nem o holocausto, mas é neste metódo que gostaria de trabalhar em todas as matérias de humanas.

    ResponderExcluir
  4. Liu, n sabia ja tnha dado aula de hist. legal!! E n sabia desse metodo ue vc tinha inventado...
    acho essa hist. vc esueceu d contar! rsrs, vc eh otimo em tudo faz!! continuarei lendo seus postis e cmentando sempre ue possivel ok?
    bjosss

    ResponderExcluir
  5. Primeiro, obrigado pelo comentário lá no blog.

    E conforme sugerido, vim até aqui e realmente gostei do blog, do tipo que tem tudo pra seguir com sucesso (vejo que só tem um mês).

    Seria bom se todos os professores tivessem a mesma postura que a sua. Durante meus 14 anos de vida escolas, poucos tinham essas idéias inovadoras.

    Você também é inventor de línguas? Adoro esse hooby, embora faça um bom tempo que não me dedico a ele.

    ResponderExcluir
  6. Gostaria de uma parceria com meu blog? Podemos relacionar um ao outro.
    Fica a proposta.

    ResponderExcluir
  7. Norssa... já assisti esse filme.. achei mt phoda..
    cara segue em frente com seu blog.. vlw pelo comentario lá no nosso(meu e da ma) blog, tenha certeza que vamos estar trazendo mt coisa legal...
    vou vontar aki outras vezes pode contarr
    abraçooo
    gostei do seu blog... xD

    ResponderExcluir
  8. Lembro que assisti este filme no cinema na adolecência. Lembro que iniciou um sonho de mudar o mundo. Alias já existia o sonho. Mas não sabia que p/ mudar o mundo eu deveria entrar no reino das palavras e ali no filme aprendi que o reino das palavras é um forte combatente.

    Venho lutando o bom combate com a escrita e com o pensamento contido nela.

    Abraço e valeu pela visita!

    ResponderExcluir
  9. Bom,eu nao sei se o meu companheiro de blog veio aki...mas se veio nao tem problema ;)
    Kra,eu li o teu perfil e achei que estava lendo algo sobre mim!
    Sinceramente achei muito engraçada a coincidência...
    Bjus

    ResponderExcluir
  10. Liu... só uma perguntinha... não briga comigo...
    Por que eles estão pendurados? Eles parecem bonzinhos, vc os deixou de castigo?rsrsrsr
    bjinhos!!

    ResponderExcluir
  11. Liu! Já descobri a mágica!! Já sei como vc conseguiu tudo isso dos seus pobres alunos!!! O castigo era a motivação!! Cada um que não fizesse ia pra forca!! Por isso eles estão pendurados!!rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  12. heheheheh... Sociedade dos Poetas "Mortos"! E como morreram? Não fizeram a lição direito e Eliude condenou tordos "à forca!" hehehehehhehe... Olhando a foto novamente, até percebi um certo ar de maldade no meu olhar!!!! hehehehheheheh Nunca mais vou olhar pra essa foto do mesmo jeito!!!! hehehehhehehehehhe

    ResponderExcluir
  13. É isso aí msm que acredito Liu... com certeza vc já está contratado no meu projeto-escola que trabalhará e desenvolverá novas formas mais eficientes de ensinar nossas crianças e adolescentes a serem cidadãos independentes, responsáveis e criativos!! Te Amo demais!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Esse foi o melhor filme que eu ja vi,olha que vivo assistindo tv,filmes etc
    se fosse para dar um tremio para o melhor filme dramatico que ja vi com certesa SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS teria meu voto multiplicado por mil

    ResponderExcluir
  15. Esse foi o melhor filme que eu ja vi,olha que vivo assistindo tv,filmes etc
    se fosse para dar um tremio para o melhor filme dramatico que ja vi com certesa SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS teria meu voto multiplicado por mil

    ResponderExcluir
  16. o capitao meu capitao
    e isso ai

    ResponderExcluir
  17. Carlos, ele foi um de meus preferidos na época tbm... recentemente continua na minha lista dos 100 melhores... mas tenho um grande carinho pela história e pelo que ela representou na minha vida...

    Anônimo, vc subiu na mesa de estudo quando disse essa frase? hehehehehehhe

    ResponderExcluir

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.