24 de setembro de 2015

O Despertar dos Amantes

24 setembro Escrito por Eliude Santos , Comente aqui
Lambi-te os sonhos que se cristalizaram nos cantos dos olhos dormentes. Acordaste tomado de um asco tardio quanto ao meu ato poético. Quebraste com tua irreverência o silêncio de meu ritual. Tua ânsia por motivos sufocou-me a poesia de tal modo que tornou-se prosa. E falamos do sal de teus sonhos e dos meus.

Lavei-te a alma com carícias de odores e olhares: tu eras tu novamente, e eu era eu.

Levantaste-te então sobre mim com a exuberância de um puro-sangue e levaste-me à nuca tuas mãos nuas com tamanha delicadeza que te foi possível sentir cada um dos pelos que se eriçavam de meu pescoço como se fosse tua mão um ímã; e eles, minúsculas hastes de um metal suave querendo grudar-te a mim.

Lentamente, como tudo que tem real valor se cria, trouxeste teus lábios para junto dos meus sem te atreveres a tocá-los num doce e tantálico tormento. E teus lábios fizeram-se novamente virgens para os meus, que num repente esqueceram seu sabor somente para, uma vez mais, perderem-se em sua busca e conquista.

Lançaste fora as cobertas e revelaste o paraíso proibido de nossa nudez. Fizeste teus braços descerem sobre os meus como se quisesses vestir-me de ti ― e vesti-me!

Lânguidos, teus dedos percorreram o relevo acidentado do éden recém descoberto: vales, colinas, savanas, nascentes. Desbravaste cada recanto como um Adão curioso num paraíso familiar.

Lúbricos, meus dedos adentravam a mata escura de teus cabelos e se perdiam contentes.

Línguas, ora serenas ora afoitas, encontravam-se e cantavam juras de amor eterno sem estrofes ou versos. Exploravam a ferrugem das palavras adormecidas até que finalmente as fizessem despertar. E despertaram em êxtase de opereta, contemplando a ti e a mim com olhos de um terceiro que não era tu nem eu: era nós, que sublime surgia como nova criatura.

Louca criatura! Arfando e suando, alongando-se e dobrando-se sobre si mesma. Nosso cheiro, nosso gosto, nossa dor, nosso prazer ― nada era só meu ou só teu naquele momento.

Lírico enlace desfazendo-se no gozo. Éramos novamente tu e eu, olhando-nos exaustos.

Lambi-te o desejo suado que te escorria ao pescoço. Sorriste da língua que em éles de lirismo lascivo fizera da prosa uma poesia ao lançar-se sobre a tua, adoçando num beijo demorado o gosto salgado de teu suor.

Este é um conto do livro Quando a Vida Grita pra Ser Ouvida, de Eliude A. Santos
Para acessar o índice do lívro, clique na imagem abaixo. 

índice

Se gostou deste conto, curta a Página do Livro no facebook,
e/ou compartilhe o link deste artigo em suas redes sociais. 
CLIQUE AQUI para ler o próximo conto.


0 pessoas comentaram:

Postar um comentário

Compartilhe esse artigo em suas redes sociais e aproveite este espaço para registrar seus pensamentos sobre esta postagem.